About a Boy, agora no Brasil

aboutboy.jpg

Ontem fui ver um filme daqueles bem previsíveis e cheios de clichés. E agora, isso me fez lembrar de Infidelidade, que também é cheio de clichés e previsível e eu gostei! Como eu também gostei desse outro filme, isso talvez signifique que eu sou cheio de clichés e previsível!! Oh, Céus!!! :^)))
Bem, esse que eu vi ontem é o About a Boy (Um Grande Garoto), com o Hugh Grant, sobre o qual a Fer já escreveu (e gostou, o que também significa que ela é previsível e cheia de clichés!). O que me chamou a atenção é que ao final do filme eu estava tão feliz, tão satisfeito de ter ido ao cinema e ter confirmado algumas crenças e valores que para mim são tão verdadeiros e importantes (a idéia principal de que “nenhum homem é uma ilha”, mesmo que ele creia “ser” Ibiza!), e meus amigos que me acompanharam ao cinema estavam totalmente sonolentos e não expressaram opinião alguma sobre o filme a não ser, “legalzinho”… “não via a hora de acabar”… “gostei um pouquinho”…
O que está acontecendo? Será que sou eu que ando muito “molenga” pra cinema e consigo curtir intensamente “Spider Man”, “Unfaithful” e “About a Boy” ou será que tenho ido ao cinema com a galera “errada”??? FEEEERRRRRRRRRRR, vem ao Rio pra ir ao cinema comigo!!!!
Enfim, fiquei pensando nisso mas não deixei de pensar também no relacionamento das personagens do filme, o Hugh Grant safadão e vagabundo e o garoto rejeitado na escola, as situações exdrúxulas nas quais o Hugh Grant se mete (como o Natal com a família do garoto!) e o quanto ele se esforça para manter sua “ilha” intacta. Eu já fui uma ilha. E achava que era feliz. Quer dizer, eu sabia que não era totalmente feliz e sabia que precisava de outras pessoas na minha ilha. O que eu, ingenuamente, achava era que conseguiria manter minha ilha do meu jeitinho, mesmo com a entrada de outros. ;^)))) Mas, assim como no filme, as ilhas mudam, criam pontes para o continente, as pessoas vêm e vão e a gente aprende a conviver com elas e a ser mais feliz.
Outra coisa boa foi que eu reafirmei minha pequena “paixão” pelo Hugh Grant, que é quase sempre tão bom de se ver. Me lembro do primeiro filme dele que vi, “Maurice” que foi também um dos primeiros filmes gays que vi com direito a final feliz e tudo o mais. Depois vieram outros que eu ainda gosto muito como “Lua de Fel”, “Notting Hill” e “4 Casamentos e 1 Funeral”. Hoje não tem ator melhor para comédias românticas, eu acho.
O site do filme também é muito legal. Não deixem de ver: www.about-a-boy.com

3 thoughts on “About a Boy, agora no Brasil

  1. Fezoca, creio que eu vá ainda demorar um tempo para ir ao cinema contigo, aí na California. Mas a Bia é a melhor companhia para ir ao cinema que eu tenho. Ontem fomos ver “The Curse of the Jade Scorpion” do Woody Allen e foi muito gostoso! Agora só vou com ela ou sozinho! A gente gosta de sentar nas primeiras fileiras, gosta de ler os créditos até o fim, comenta e repara as mesmas coisas (sabia que aparece o microfone no filme do Woody Allen também? Um horror!!). :^)))
    Beijocas!!!

  2. Moa!
    Eu achei ‘About a Boy’ um dos filmes mais divertidos que eu vi esse ano. Eu adorei os dialogos, cheios de ‘wit’!! :-)) Como pode alguem dormir num filme desses???
    Acho que temos que ir ao cinema juntos mesmo, mas voce vem pra cah, hein? ;-))
    Talvez hoje eu vah com a Leila ao cinema. Vamos ver um filme independente. Ela eh super fun de ir ao cinema junto, porque a gente nao aguenta e fica comentando as cenas! ha ha! azar dos outros, neh? Mas como a gente faz em portugues, azar duplo dos outros! Nos fizemos isso em Unfaithful!
    Bom, to saindo do assunto, que eh o filme eh o Hugh Grant. Voce sabe que ele foi uma grata surpresa pra mim nesse filme? Ate achei que ele esta mais bonito, com um ar mais velho e ate algumas rugas. Gostei mesmo, apesar de nao ser muito fanzoca dele, voce sabe..!!
    BeijoESSS!
    [*eh tao bom qdo entro aqui e tem texto seu!! iuru!]

Comments are closed.