My Big Fat Greek Wedding

Muita gente pode achar o filme cheio de estereótipos étnicos, mas quem pertence à uma família grega diz que tudo é exatamente assim mesmo. My Big Fat Greek Wedding me arrancou inúmeras gargalhadas e até um ataque de riso com lágrimas. Não é sempre que isso acontece comigo, que sou mais fácil de chorar do que rir em filmes.
Nia Vardalos é Tula, uma trintona feia e frustrada que trabalha no restaurante grego da família [The Dancing Zorba’s ]. Ela vive pressionada pelo pai [Michael Constantine], a mãe [Lainie Kazan] e praticamente toda a enorme família, para que arranje uma marido grego e se case. Mas Tula quer algo diferente para a sua vida. Ela decide ir estudar, começa a cuidar melhor da aparência e conhece Ian [John Corbett de Sex and The City], um rapaz não-grego, e se apaixona. Tula e Ian passam o resto do filme tentando superar as diferenças culturais para finalmente poderem se casar, numa cerimônia na igreja ortodoxa, com direito a festona e danças típicas.
Com todos os exageros à parte, My Big Fat Greek Wedding é uma comédia romântica de primeira. A estória de dois amantes com culturas e tradições diferentes – que muitas vezes sela o carater de ‘amor impossível’ – não é nenhuma novidade nas telas do cinema. A família da noiva é exagerada, barulhenta, numerosa, excêntrica e escandalosa. A família do noivo é um perfeito tédio ‘wasp’ – o pai advogado, a mãe dona-de-casa. No início há um choque. Depois, obviamente, a família barulhenta consegue amaciar os controladíssimos pais do noivo [com a ajuda de uma bebidinha grega!]. As piadas são padrões, mas o riso vem fácil e gostoso. Tudo é tão estereotipado que se chega a pensar que toda essa gente não existe. Mas eu já os vi de perto numa festa da comunidade grega de Sacramento e eles são exatamente como no filme!
Eu até me identifiquei com algumas coisas, pois mesmo não sendo grega, sou estrangeira e algumas vezes – como numa cena do encontro da noiva com os pais do noivo – temos que ouvir perguntinhas tolas sobre o nosso país, língua e etnicidade. Faz parte do pacote de ser imigrante.
Outro detalhe que me fez gostar do filme é que ele se passa em Chicago! Fiquei procurando por lugares por onde passei. E vi algumas paisagens conhecidas!

5 thoughts on “My Big Fat Greek Wedding

  1. oi aí:
    adoro campbell scott, o film com julia roberts em que ele faz de victor geddes, o jovem com cancro, chama-se “dying young”, em portugues é “a escolha do amor”, em portugues do brasil acho que é “tudo por amor”….excelente a pintura de klimt, o beijo, nao acham?

  2. Minha memória também ficou péssima depois dos 30; por favor, nos ajudem a lembrar! Esse filme com a Julia Roberts é um que o personagem do Campbell Scott está com câncer e os dois se apaixonam durante a quimioterapia dele. A música-tema é do insuportável Kenny G., e foi o maior sucesso na época.
    Outro filme interessante do Campbell Scott de que não lembro o título é um (Céu alguma coisa) que se passa no deserto, e ele está com problemas de relacionamento com uma atriz morena… Help!

  3. Ei! Eu também gosto do Campbell Scott! Mas gosto mais dele naquele filme com a Julia Roberts (como é mesmo o nome?) e num outro (hoje tô péssimo de memória) em que ele faz um cara gay, e o filme fala sobre o aparecimento da Aids no início dos anos 80 e como isso afeta a comunidade gay nos EUA. Já do Ben Affleck eu gosto SEMPRE! ;^)))
    “Sex in the City” vai estrear num canal a cabo que eu tenho, semana que vem! FINALLY!!!

  4. Fernanda,
    Vale comentar que o John Corbett (“Sex and the City” e, se não me engano, “Serendipity”) se saiu muito bem como o noivo da Tula. Ele está simplesmente adorável! É o meu galã da vez, como uma vez foram o Campbell Scott de “Singles” e o Ben Affleck de “Chasing Amy”…

Comments are closed.