Meryl Streep

streepclose.jpg

Eu me lembro de ter visto Meryl Streep pela primeira vez em “Kramer vs Kramer”, em 1980 ou 81. Minha lembrança mais antiga de uma entrega dos Oscars (que eu tenha visto sendo transmitido ao vivo) é de Meryl recebendo o prêmio de melhor atriz coadjuvante nesse mesmo filme. E lembro de uma menina no colégio que se parecia tanto com ela. Durante o início da década de 80, quando eu era adolescente, minhas paixões cinematográficas foram arrebatadoras e provaram ser duradouras também.
Depois de Kramer vs Kramer vieram The French Lieutenant’s Woman, Sophie’s Choice, Silkwood e Out of Africa. Esses quatro filmes foram os mais importantes para criar a aura mágica de transformação de que Meryl é capaz. Sem usar muita maquiagem em seus filmes, Meryl tem sempre seu rosto reconhecível, mas seus olhares, sua voz (os famosos e inúmeros sotaques) e toda sua expressão corporal são alterados em função das suas personagens. E você sofre e ri com ela, se emociona e se solidariza. Assim como Bette Davis e Katharine Hepburn foram as maiores atrizes de Hollywood, Meryl Streep começou a brilhar e chegou agora a ultrapassar o número de indicações ao Oscar que qualquer outro ator tenha recebido. Seu recorde é 14!
Algumas atuações de Meryl não foram tão populares pois de alguma maneira, obscura para mim, os críticos começaram a se cansar dela. Em She-Devil e Death Becomes Her ela explorou seu lado comediante de maneira inesquecível. Interpretou mulheres mal compreendidas e mal vistas como Lindy Chamberlain em A Cry in the Dark e interpretou mulheres apaixonadas como Francesca, a italiana de The Bridges of Madison County e também em Falling in Love, com Robert De Niro. Chegou até a fazer um filme de ação em que metia a porrada em Kevin Bacon (The River Wild) e fez um filme na Irlanda onde ela era a única estrangeira (Dancing at Lughnasa). Como se não bastasse Meryl canta divinamente e teria sido a única razão para eu ver Evita, cantado do início ao fim, se Madonna não tivesse conseguido o papel. Em compensação ela canta “Amazing Grace” em Silkwood e duas outras canções na comédia dramática Postcards from the Edge (provavelmente o filme de Meryl que mais me dá prazer em assistir). Até uma mendiga Meryl interpretou, contracenando magistralmente com Jack Nicholson em Ironweed (ela também canta nesse filme!).
Talvez seja essa pluralidade, essa elasticidade de suas capacidades que irrita tanto os críticos e alguns espectadores. As pessoas a acusam de ser fria, calculista e profissional demais. Talvez por essa razão Meryl tenha surpreendido tantas pessoas com sua atuação em Adaptation. Na pele da jornalista e escritora Susan Orlean, Meryl está natural e relaxada. Sem sotaques diferentes, sem cantar e sem grandes dramas aparentes, sua performance é contida e interiorizada. Sua busca por entender o que faz as grandes paixões e sua percepção de um certo vazio na vida são sutis e delicadas.
Depois de Adaptation voltei a me apaixonar por Meryl Streep. Amanhã vou ver The Hours. Meu coração mal se contém no peito!

14 thoughts on “Meryl Streep

  1. Uma correção sobre as frases que o Clint Eastwood diz para Meryl Streep no filme As Pontes de Madison: A 1ª “OS VELHOS SONHOS ERAM…
    E a 2ª ” ESSE TIPO DE CERTEZA…

  2. A segunda frase que o Clint Eastwood diz para a Meryl Streep é: OS VELHOS SONHOS ERAM BONS SONHOS, NÃO DERAM CERTOS MAIS ESTOU FELIZ POR SONHÁ-LOS.

  3. Como já cometei amo o Filme ” As Pontes de Madison”. Tem duas frases que o Clint Eastwood diz para a Meryl Streep que eu considero maravilhosas: ” ESSE TIPO DE CERTEZA A GENTE SÓ TEM UMA VEZ NA VIDA”. e a outra é: OS VELHOS SONHOS ERAM BONS SONHOS. NÃO DERAM CERTOS, MAIS ESTOU FELIZ O SONHÁ-LOS”.

  4. Passei a admirar a Meryl Streep quando assiti pela 1ª vez o filme “As Pontes de Madison”. Nossa!!! como eu amo esse filme… amo tanto que comprei a fita, a minha mãe acha que eu sou louca porque nunca viu uma pessoa gostar e é claro assitir tanto um filme como eu. Desde então, não parei mais. Tenho recortes de jornais e revistas sobre o filme, comentários que sai na tv sobre o filme eu gravo. Todos os filmes que a Meryl Streep está eu gosto de assiti… Já vários, mais ainda falta muuuuitos. Não vejo a hora de assiti todos.
    Nem preciso dizer que eu considero a Meryl Streep a melhor atriz…

  5. Ela é linda, talentosa, EU A AMO a acho a melhor atriz do mundo dava tudo pra ficar uma dia perto dela.

  6. Ela é linda, talentosa, EU A AMO a acho a melhor atriz do mundo dava tudo pra ficar uma dia perto dela.

  7. oi joyce tem sim EU! amo demais essa atriz tenho muitos DVD´s dela meu favorito e Amor a primeira vista. Lembrancas de Hollywood e muito engracado. Amo todos os filmes dela! joyce vou te escrever

  8. na minha opiniao e (na da imprensa mundial tambem 🙂 )ela e a melhor atriz do mundo e achei uma tremenda injustica ela nao ter ganho o oscar por As Horas. She is the Best! detalhe …. alem de tudo e linda (enchutissima!!!)

  9. Amo Meryl Streep desde que assisti “As Pontes de Madison”. Adorei o filme e sempre quando posso assisto os filmes dela. Se alguém, que ame ela tanto quanto eu, puder mandar fotos ou notícias sobre ela para mim, agradeço de coração. joyce-elaine@ig.com.br

  10. Meryl Streep é a maior atriz em atividade do cinema, em todo o mundo. Sou suspeita para falar, pois me encantei com seu brilhantismo profissional também quando vi Kamer vs. Kramer.

Comments are closed.