Gary Cooper ganhou um Oscar pelo seu fabuloso desempenho em Sergeant York. O filme de 1941, dirigido por Howard Hawks, conta a história do pacato caipirão Alvin York, que de bebum e pobretão numa pequena cidade do Tennessee, virou herói internacional durante a Primeira Guerra Mundial. Não sei o quanto do filme é exagerado, mas se ele realmente matou e aprisionou tantos alemães sozinho, era um verdadeiro Daniel Boone!
O filme é divertido e emocionante. Primeiro vemos York se apaixonar por Gracie [Joan Leslie] e tentar comprar um lote de terra melhor do que a que ele, sua mãe, irmã e irmão vivem. Depois vemos ele largar o booze e se converter à religião. Por causa da biblia, ele não queria ir para a guerra. Acabou indo – depois de uma seqüência meio piegas, onde ele lê a história dos Estados Unidos e seus heróis e se inspira a ir defender a Liberdade – e se tornando um herói.
Diz que o verdadeiro York era tão ou mais simplório que o York do filme. Ele não quis nenhum dinheiro vindo da sua fama de herói e voltou para o Tennessee para casar-se com a sua amada Gracie. Garry Cooper conviveu um tempo com Alvin York antes de encarnar o personagem de Sergeant York e o fez com perfeicão. Ele conseguiu transformar um caipirão num personagem carismático e adorável. O filme é delicioso e Cooper está maravilhoso no papel do sargento herói.

garycooper.jpg

3 thoughts on “Sergeant York

  1. Fernanda, fiquei emocionada ao ver o Gary Cooper tão jovem, tão lindo, e lembrar que assistí na época que passou por aqui (deve ter sido l.945 mais ou menos), deixando nós jovenzinhas “apaixonadas” pelo Sargento York. Foi bom lembrar de um dos campeões em filmes de far-west. Amo cinema, principalmente o cinema de minha época. Abs.

  2. Fernanda, fiquei emocionada ao ver o Gary Cooper tão jovem, tão lindo, e lembrar que assistí na época que passou por aqui (deve ter sido l.945 mais ou menos), deixando nós jovenzinhas “apaixonadas” pelo Sargento York. Foi bom lembrar de um dos campeões em filmes de far-west. Amo cinema, principalmente o cinema de minha época. Abs.

Comments are closed.