hoje não tem marmelada!

Meus comentários sobre o Oscar chegam sempre atrasados, pois me dá uma preguiçaaaa horrível depois da festa, como se eu tivesse estado lá e me fatigado com os discursos chatos de agradecimento e cansado minhas pernocas com sapatos apertados de salto alto.
Mas tenho que admitir que a festa de domingo nào foi má. Todo mundo disse que o Chris Rock decepcionou, pois estávamos esperando o velho Rock de sempre, mas ele foi pausterizado e limitado pela magnitude do Oscar. Mesmo assim achei que ele fez legal, dando patadas bem dadas na Nicole Kidman e no Bush. A Ophra Winfrey disse que ficou preocupada e tensa, porque o Rock tem uma língua feroz, mas no final tudo deu certo e ele fez rir. Disse que o Tim Robbins mata todo mundo de tédio com seus falatórios políticos e anunciou a Gwyneth Paltrow como ‘a primeira mulher que amamentou uma maçã’ [a filha da atriz se chama Apple]. Apesar das limitações, o Rock fez muito bem o seu papel. Nota zero pra falta de humor do Sean Penn, que foi todo brioso defender o Jude Law. Alguém precisa explicar pra ele o que é uma piada…
Nenhum vestido realmente me chamou a atenção, estavam básicamente todos feios. As menos horrorildas eram a Cate Blanchet, a Halle Berry e a Scarlet Johanson, que apesar de parecer a Sininho do Peter Pan, estava diferente. O resto, não deu nem inveja. A Kate Winslet é linda, mas aquele vestido azul parecia feito de tecido de maiô de competicão de nado sincronizado. A Hilary Swank estava simplesmente horrível, idem a Renee Zellweger. E no lado masculino – toda vez que vejo o Johnny Depp num award me pergunto se ele se enfeia de propósito. Domingo ele estava com próteses de dentes de um personagem, estava parecendo um monstro…
Fiquei com as mãos geladas quando anunciaram o prêmio de melhor ator, mas felizmente quem mereceu ganhou! Jamie Foxx é um darling! Vi a entrevista dele depois do Oscar com a Barbara Walters e gostei ainda mais dele. Aliás gostei de todos que ganharam, todos merecidos. O Oscar deste ano foi tranqüilo, sem grandes exageros, nem grandes injustiças [Scorsese ainda terá a sua vez, como Spielberg], nenhum modelito de arrasar, ninguém mostrando muita pele, tudo razoavelmente comportado, sem polêmicas, sem vaias. Foi um Oscar morno, mas gostoso, sem bailarinas ou cisnes e, felizmente, sem marmelada!

8 thoughts on “hoje não tem marmelada!

  1. Em geral gostei da premiação, tendo em vista os indicados deste ano, uma vez que nos Inagaki Awards eu teria laureado Julie Delpy como Melhor Atriz por “Before Sunset”, Virginia Madsen como Melhor Atriz Coadjuvante (a impressão que tive é de que a atuação de Cate Blanchett é uma espécie de microcosmo do “Aviator” como um todo, com seus rompantes de overacting e maestria oscilando ao longo da sessão) e Michel Gondry como Melhor Diretor (mas “Million Dollar Baby” levaria os demais prêmios concedidos pela Academia).
    Destaque de latão: Carlos Santana & Antonio Banderas, a pior dupla sertaneja de todos os tempos da última semana, em um cenário que mais parecia as sobras da cenografia de “The Three Amigos”.

  2. Fer, querida:
    Você sabe que jamais eu deixaria de vir comentar, tanto por ser no Cinefilia, minha segunda casa:-) quanto por ser o assunto – OSCAR® (agora que aprendi a fazer isso, estou insuportável).
    Só tem uma coisa, eu estou profundamente chateada, porque nem dá para dizer assim publicamente. Prefiro escrever.particularmente para você. (Aliás precisolçhe dizer que estousaindo dessa casa, possivelmente do Rio, e muitas coisas.)
    Agora, acontece uma coisa que as pessoas não sabem bem fazer a diferença: Esqueceram de avisar que existem dois programas num só: o lado proprimamente espetacular, e o cerne da questão.
    Se formos falar do cerne da questão, este Oscar ficou na História e será lembrado dqui a 77 anos ainda.
    Agora, quanto ao show, sempre se pode recuperar no outro ano não é? Os vestidos duram uma noite só, as jóias etc, e o host que infelizmente não tenho a menor simpatia por ele, quando ele sendo minoria entre aspas, falou a respeito de gays e velhos. O que, so, so, sorry, eu acho que há piadas e piadas:-)
    Uma piada eu tenho certeza que o Sean Penn sabe o que é e ninguém precisa explicar para ele, o que eu acho é que às vezes a gente fica de pacovazinho cheio, por causa de oooutras coisas e acaba tendo uma reação incompreensivelo ou aparentemente infantilizada. Ou seja Chris Rock era encrenca, pois ele se lambuzou muito. Eu se fosse ele, declinava mesmo e depois sei que teria uma chance.
    Agora esse Jude Law é meio &sensível* certo.
    E lá no Imagens&Palavras eu colocquei uma foto do vestido da Hillary Swank que acho uma das pessoas mais desajeitadonas que existem, e olha acho que o vestido é bonito. Se ficou feio nela, o que se vai fazer. Isso acontecia muito comigo. Vestidos feios ficavam bem e vestidos bonitos nem tanto:-)
    E sinceramente não achei que houve injustiça: não considero que Paul Giamatti não ter sido indicado seja uma injustiça. O caso é que havia muita coisa boa. Por exemplo Cate Balanchett ganhando o Oscar? E olha que eu gosto dela bastante.
    Injustiça só houve uma e enorrrrme: ETERNAL SUBSHINE e Jim Carrey.
    O resto foi tudo muito bom!
    BGeijos
    Meg Lee

  3. Fer, o tal Chris Rock eu nem conhecia, sou meio chatonilda com humoristas e não tive paciência para escutar grande coisa. Quanto às roupas do mulherio concordo com a Johanson tava bonita e também H. Berry, mas a Cate Blanchet de amarelo não gostei e gostei do modelo da Swank, principalmente daquela cor, e tapado na frente e mostrando tudo atrás. Pouco posso dizer dos prêmios só vi os Diários e o Hotel Rwanda, mas acho que os melhores atores (masculinos e femininos) mereceram. Alors, beijão para ti.

  4. Fer, só discordo quanto à Kate Winslet, achei que estava lindíssima de azul. Também achei que o Sean Penn levou a piada a sério demais, por outro lado achei injusto o Jude Law lindinho ser tão sacaneado. Mas Chris Rock mandou bem nas críticas a Bush e nas entrevistas com o público dos cinemas.

  5. Oi Fer!
    Eu também achei que o Oscar foi meio morno mesmo. O Cris Rock até tentou ser polêmico falando do Bush, dos filmes não indicados, das comédias e dos atores, mas não conseguiu. Eu acho que já foi um avanço imenso ele ter tocado no assunto Bush logo na abertura, porque a Academia nunca viu com bons olhos o discurso e posicionamento político dos atores durante a festa.
    Quanto aos vestidos: horríveis. O que era aquele vestido da Hilary Swank? O Johnny Depp faz de propósito para parecer intelectual-excêntrico, e não fazer o gênero bonitinho. Um desperdício, na minha opinião.
    Bjos 🙂

  6. Fer, concordo plenamente com você. Surpreendi-me com o Chris Rock – não esperava que ele fosse mandar bem daquele tanto. O modelito da Blanchett não era um cor de “gema de ovo de granja”? Ah, não gostei não. Acho que Halle Berry era a mais bem vestida (a nossa Gisele também não fez feio). Quanto ao Depp, o que era aquilo? Ele deve fazer de propósito mesmo. Não vi “Ray” ainda, mas confesso que o discurso de Foxx me comoveu. Como eu estava dividido entre M&B e Aviator, não fiquei chateado com o resultado final. Achava que ia dar “M$B” para filme e Scorsese para diretor. Ah, e adorei o fato da cerimônia ter sido remodelada: ficou mais dinâmica e mais curta (por aqui era 1h30 quando terminou; pela primeira vez em anos, consegui assistir até o final por causa disso). Nossa, já escrevi demais. Abração.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *