Os bons diretores deixam sua marca pessoal em seus filmes. Afinal, o cinema é antes de mais nada uma arte de direção. Entre os que eu mais gosto o mais bizarro de todos, o mais esquisito é sem dúvida David Lynch. E entre suas obras, de The Elephant Man a Mulholland Drive, passando pela brilhante série televisiva Twin Peaks e pela obra-prima que é Blue Velvet, sem esquecer Dune e o esquisitíssimo e incompreensível The Lost Highway, o mais bizarro de todos é mesmo Wild at Heart.

Wild_at_heart.jpg

Basta ver o trailer do filme. Nunca vi um trailer tão instigante. Nicolas Cage e sua jaqueta de pele de cobra, cantando músicas de Elvis Presley e matando um homem com suas próprias mãos. Laura Dern de Dorothy (aquela do Mágico de Oz) quase ninfomaníaca, infantilóide e careteira. Diane Ladd de bruxa má do oeste, Harry Dean Stanton latindo numa cama, Williem Dafoe babando, com dentes podres e vestindo uma meia de seda na cabeça, Isabella Rossellini com sobrancelhas grossas e uma ridícula peruca loura, sem contar com outras bizarrices como um cachorro saindo de uma loja com uma mão na boca e, do lado de dentro, um homem ferido à procura de sua mão no meio do sangue espalhado no chão. Grace Zabriskie. New Orleans. Crispin Glover e as baratas. Uma cabeça explodindo para fora do corpo, acidentalmente. Acidentes na estrada. Mortes contratadas. Incêndios premeditados. David Lynch em estado bruto.
Talvez não faça muito sentido. Concordo que é demais pra uma cabeça normal. Mas é impossível desviar os olhos da tela. E ganhou a Palma de Ouro em Cannes!

One thought on “O mais bizarro

  1. Moa, eu tenho um pouco de dificuldade pra gostar dos filmes do Lynch. Algumas coisas eu ate curto, mas outras nao dah…. beijos! 🙂
    * tentei comentar ontem e faiou. nao sei que droga esta acontecendo com os comentarios… grrr!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *