where the WONKA have you been?

Quando o filme Willy Wonka & the Chocolate Factory foi lançado em 1971, eu tinha dez anos e minha maior diversão era brincar na rua, ler gibis do Tio Patinhas ou histórias do Monteiro Lobato esticada no tapete da sala, nadar no rio ou na piscina do clube, ouvir discos na vitrola e eventualmente ir ao cinema da minha cidade, onde eu e meus irmãos víamos filmes do Jerry Lewis, do Mazzaropi ou algum épico ou faroeste italiano, enquanto chupavamos balinhas efervescentes. Nunca fiquei sabendo de nenhum Willy Wonka nem de nenhuma fábrica de chocolate. Passei a adolescência inteira na ignorância. Só fui ver esse filme depois de adulta, casada. Não fiquei impressionada, não fiquei marcada, ver ou não ver Willy Wonka & the Chocolate Factory não fez diferença nenhuma na minha vida.
Agora observo a multidão enlouquecida correndo atrás do filme como tiete atrás do galã da telenovela. Aimeudeusdocéu, refizeram o filme da minha vida, mal posso esperar, vou ter um treco, senhormeacuda, que maravilha, orgasmos múltiplos. Quê?
Sei lá, viu gente. Conversando com o Moa concluí que eu devo ter sido abduzida por ETs na época em que esse filme marcava a memória e os coraçõeszinhos de milhares de crianças e adolescentes. Como que eu consegui passar batido por isso, sem ser abocanhada pela histeria coletiva eu não sei. Como não tem explicação, já tá explicado: passei anos vivendo com alienigenas num outro planeta. Voltei sem memória de Wonkas, anões e rios de chocolate.

6 thoughts on “where the WONKA have you been?

  1. Pois eu faço parte totaaal da tribo. Amo Willy Wonka desde pirralha. Tenho loucura pelo filme e confesso: ainda não tive coragem de ver o novo. Será que tem a cena de Carlie e o avô naquele tubo anti gravitacional que eles só conseguiram descer depois de dar uns mega arrotos? Pq se não tiver, nem adianta. Já não gostei.
    beijos,
    Flávia Wonka Groupie
    ps: oi Moa! Maridão tb é Moa,sabia? hehe

  2. O quê???!!!! Então não é
    Moa, às vezes 1 (uma) ano faz toda a diferença;-)
    É verdade, um dia me pede pra eu contar a história da Hebe Camargo com a Revista Veja hohoho.
    Acho que sim, a Leila pode estar certa, mas nesse caso específico, eu acho que a *culpa* foi da cara do Gene Wilder;-)
    E falando nisso, quando eu vinha do cinema, o motorista do taxi, me disse do alto da sabedoria dele, que quem fez o filme foi o Michael Jackson, mas que a polícia *foi em cima* (eu fiquei me perguntando em cima de quem ou em cima de onde?!!!!) mas concordei com ele que não sou besta nem nada. Ele contava como se estivesse ou fosse da equipe de pós-produção .. e eu lá sou de discutir com pessoa tão cheia da razão hahahah.
    Concordei, disse que já tinha ouvido algo parecido e fomos felizes até a porta do meu prédio hohoho.
    ***
    Mas a hipótese explicativa da Fer também é muito boa hohoho!!!!
    (Estou aqui me sacudindo violentamente de tanto rir.)
    Beijus
    Meg Sue.

  3. Hahahahahahahaha!!! Fer, vc é ÓTIMA pra arrumar explicação pras coisas, né? :^D
    Eu concordo com o que a Leila disse. É isso mesmo. Uns dois ou três anos fazem toda a diferença quando somos pré-adolescentes, adolescentes, jovenzinhos. E essa galera toda (incluindo a minha pessoa) viu a fábrica original na televisão. E éramos pequenos. Por isso marcou tanto.
    Eu sempre SEMPRE sonhei em abrir uma barra de Hershey’s e encontrar um bilhete dourado e premiado lá dentro.
    Beijocas enchocolatadas.

  4. Fer, acho que o filme só fez sucesso no Brasil quando passou na televisão, mais pro final dos anos 70 e depois constantemente nos anos 80. Aí você já estava muito crescida para gostar do filme, por isso não marcou. Provavelmente o mesmo se aplica à Meg. Às vezes o “gap” de três ou cinco anos é suficiente para a gente não se identificar com cultos de uma determinada geração. Por exemplo, eu sou da época da Vila Sésamo e depois do Globinho, ainda lembro até do Toppo Giggio; quando veio o Balão Mágico eu já não assistia mais a programas infantis.

  5. Eu também! eu também!
    Não é estranho quando acontece isso?
    E como acontece comigo… Com música também.
    Acho interessantw quando todo mundo fala e cita passagens etc..
    E eu não vi nem em Sessão da tarde;-)
    Beijos
    Meguita

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *