Irma Vap – O Retorno de Baby Jane

irmavap_2006_poster.jpg

Depois de um longo e tenebroso inverno, fui ao cinema novamente. Entre uma comédia romântica com Sarah Jessica Parker e o novo filme da Carla Camurati, fiquei com o cinema brasileiro. Irma Vap – O Retorno é uma homenagem à famosa peça que tantos anos ficou em cartaz e uma hilariante brincadeira com o gênero “terrir” (como a própria peça). Tenho ótimas redordações do dia em que assisti “Irma Vap” e lembro de ter gostado mais do Marcos Nanini do que do Ney Latorraca. Fui pro cinema querendo rir. Tava precisando. Logo no início do filme comecei a ver umas semelhanças entre essa história e O Que Aconteceu com Baby Jane?, o filme de horror mais famoso da Bette Davis, que a fez ficar conhecida como atriz de filmes de horror (o que é uma bobagem, diga-se de passagem). Fui gostando mais e mais da parte do filme com o Nanini vivendo o casal de irmãos Tony e Cleide Albuquerque. Ela é a louca que prende o irmão no andar de cima e sonha com o tempo em que foi uma estrela mirim. Falas, tomadas, expressões, maneirismos, cenas inteiras foram tiradas de Baby Jane. Nanini está DIVINO e eu me diverti o tanto que precisava. Thiago Fragoso também se destaca fazendo o papel do jovem ator que vive os papéis que foram de Nanini na montagem original da peça.

irma-vap01.jpg

A peça em si aparece pouco. É mais pra gente se recordar de como foi legal e divertida. Latorraca está apagado. Alguns efeitos de montagem ficaram fracos e parece mais televisão do que cinema. Merchandising no cinema é uma tristeza, mas é a realidade brasileira e antes isso do que não ter filme nacional. Valeu a pena pagar 17 reais por cabeça, mas talvez as pessoas que não viram a peça ou o filme da Bette Davis não se divirtam tanto quanto eu.

7 thoughts on “Irma Vap – O Retorno de Baby Jane

  1. Puxa, tinha tempo que não entrava aqui e o seu último post é de 15/4!!!!
    Poxa, Moa, nem sobre cinema vc escreve mais? A Fezoca tá sozinha…;-)

  2. Até me animei um pouco para ver o filme… Já vi a peça, gosto dos atores principais, mas achei que como a maioria das adaptações não se compararia ao original. Vou dar uma conferida.

  3. Olá Moacir! Não vi BABY JANE e, infelizmente, nem a peça. Mas o filme da Camurati é sinceramente uma das coisas mais engraçadas que já no cinema, de coração. O que é aquela cena da Cleide dançando “tomo banho de chuva”? Haha. Todo mundo está ótimo no filme, mas o Nanini rouba a cena, eu pelo menos achei. E a homenagem que se faz aos clássicos e ao ator é muito válida. Viva o cinema nacional!

  4. Moacir eu preferi o filme de Sarah Jessica. Continuo sem gostar de filmes nacionais.
    Quanto as agressões no seu outro blog, incomoda, chateia é desagradável mas o jeito é deixar sair pelo esgoto. Vc deve ser maior que aquilo ou que aqueles.
    Ainda não encontrei o livro sobre os 1000 DVDs. Mas vou achar.
    A Editora Nova Fronteira por um bom tempo publicou um guias de dvds. E era muito bom.
    Liliane

  5. AAAH! mas é um clásico.
    Puxa, Moa, queria ter visto també,
    Novidade (?) será para você, Fer, que IRMA VAP – é o anagrama de VAMPIRA e eu se morresse onte, não sabia hohobo.
    beijos a todos e Feliz Páscoa.
    Meguita Lee.

  6. Moa, eu nunca vi a peça, nao sei nem do que se trata. Mas o Latorraca e o Nanini viraram meio que uma ‘duplinha’ por causa dessa peça, nao?
    Eu gostaria de ver o filme. Vou ter que esperar [sentada].
    Que bom que voce se divertiu! Isso eh super importante levando-se em conta o preço absurdo do ingresso. 17 paus, que horror!!!!
    besos,

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *