Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças

eternal.jpg

Um dia você vai a uma festa e conhece alguém. Em poucos minutos você se descobre encantado por esse alguém. Em pouco tempo você está casado com esse alguém, morando junto, dividindo sua vida e se sentindo a pessoa mais feliz do mundo. Seus beijos são os mais doces, seus olhares se encontram no mais profundo de suas pupilas e você se descobre lá dentro do olhar do outro. O toque de seus corpos provoca frissons incontáveis e a noção exata de que você, finalmente, está SATISFEITO. Pronto. Acabou.
Mas a vida continua. Os dias se passam e você começa a perceber que nem tudo são flores. O tédio, a mesmice, a repetição, pequenas traições, uma pasta de dente apertada no lugar errado, um chopp com alguém totalmente acima de suspeitas, mas que te deixa corroído de ciúmes. Um outro alguém que cruza seu caminho e te faz desejar que sua vida fosse diferente. Você é livre, você pode recomeçar, sentir o frisson novamente, o frescor da novidade, das descobertas. Seus olhos brilham e você deseja secretamente criar uma lacuna na sua mente.

Eu não conheço você. Eu não sei quem você é. Eu não tenho compromisso nenhum contigo e não devo explicações ou satisfações. Você não é minha responsabilidade. Eu apaguei você da minha mente.

Um dia você percebe, como que por um passe de mágica, que aquilo que você mais quer, mais precisa e mais te faz feliz, é justamente aquilo do qual você tenta se livrar. E você precisa então se esforçar para que a lacuna seja novamente preenchida. Você se concentra em todos os momentos preciosos e da mais pura felicidade que viveu e descobre que

é você que eu quero. É você que eu amo e que me faz feliz. Mesmo que eu me entedie, mesmo que você me irrite em alguns tantos momentos, eu sei e sinto que nunca serei tão feliz ou tão completo ao lado de outra pessoa. É ao seu lado que eu quero acordar para o resto dos meus dias. É a sua boca que eu quero beijar e o seu calor que eu quero sentir. Quero cuidar de você e receber sua atenção e seu amor. Eu sei que vamos brigar. Sei que vamos nos irritar e virar o rosto para outro lado, pensando que de outra forma poderia ser melhor. Mas sei também que mais ninguém me fará tão feliz, pois é você que eu amo.

Inspirado, chupado, colado, sentido e vivido do filme Brilho eterno de uma mente sem lembranças escrito por Charles Kaufman. A melhor prova de que o cinema pode ser artístico, lírico, bonito e também catártico, terapêutico e completamente arrebatador.
*Texto originalmente publicado em 22 de abril de 2005, em outro endereço, mas que continua atualíssimo. Não precisei mudar uma única vírgula.

2 thoughts on “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças

  1. Moa,
    esse filme foi uma catarse pra mim. especialmente porque meu casamento de tantos [milhares de] anos as vezes me faz pensar que eh o tempo junto que faz ver tanto defeito no outro, se irritar com tantas pequenas coisas, mas isso acontece com todos os casais. o importante eh nunca esquecer do frisson do inicio e deixar os bons momentos se alternarem com os ruins, porque eh isso que faz tudo tao legal. duas cenas desse filme que sumarizam tudo pra mim–quando eles estao deitados no gelo, sentindo uma felicidade tao grande que poderiam morrer ali–e a cena no restaurante chines, com as picuinhas, as implicancias, as caras de saco cheio. essas duas cenas sumarizam mais ou menos o meu casamento. 🙂
    beijo,

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *