“Here’s looking at you, kid.”
“Of all the gin joints, in all the towns, in all the world, she walks into mine.”
“Kiss me. Kiss me as if it were the last time.”
“We’ll always have Paris.”
“Round up the usual suspects.”
“This is the beginning of a beautiful friendship.”

Todas as falas acima são do mesmo filme. E se você não sabe que filme é esse, também não sabe o que está perdendo. Eu tinha “visto” Casablanca (1943) uma vez, na televisão, dublado, altas horas da noite, há muuuuuitos anos atrás. Conclusão: eu não tinha visto Casablanca ainda. Comprei o DVD duplo, com inúmeros extras e comentários, há meses atrás e tinha visto apenas um documentário sobre Humphrey Bogart apresentado por sua eterna esposa Lauren Bacall, mas não tinha visto o filme ainda, até ontem à tarde.
Ao longo do filme, fui reconhecendo inúmeras falas, rindo com as tiradas geniais da personagem Rick, na pele de Bogart, dono do café mais freqüentado de Casablanca. Naquela época de guerra, Casablanca era um “paraíso” onde alemães, franceses, ingleses e americanos se encontravam e, como era um território “não ocupado” da França, os alemães não podiam prender os refugiados. Eles iam para Casablanca à espera de um avião que os levariam até Lisboa e, de lá, para a badalada terra prometida: América. Enquanto não conseguiam os vistos, ficavam por lá, à espera de algum milagre ou suborno para a polícia local, que os libertariam. Rick’s Café Américain é “o point” e tudo acontece por lá. O chefe de polícia, o magnífico Claude Rain, joga, aceita suborno, encobre trapaças e crimes, ajuda os alemães quando lhe é conveniente e tem uma “quedinha” por Rick, que diz ser a pessoa mais sem escrúpulos que ele conhece depois dele mesmo. Rick vive meio “sedado”, sem dar bola pra muita coisa além de si próprio até que uma “aparição”, vinda de seu passado, o tira da zona de conforto. Ilsa, Ingrid Bergman bela e intrigante, chega com seu marido, Paul Henreid, ativo e importante participante da resistência contra os nazistas, e o resto da história tem que ser visto para ser curtido a cada deliciosa cena.
Casablanca é considerado um dos maiores romances do cinema e, de fato, o grande romance dura apenas alguns dias, quando o casal Bogart e Bergman, se conhecem em Paris. Quando o filme começa, eles não se vêem há alguns anos e o reencontro é quando Bogart descobre que Bergman já era casada quando eles se conheceram. O “grande romance”, na verdade, é uma história de amor impossível, quase platônica, pois a mulher não está disponível e o homem acaba se escondendo atrás dessa paixão que o abandonou e nunca mais teve um relacionamento com outra mulher. O próprio chefe da polícia diz a certa altura, “eu nunca te vejo com mulher alguma”. Esse mesmo chefe de polícia é tão corrupto que chega a dormir com uma jovem recém casada, em troca de dar a ela e ao marido um visto para sairem de Casablanca. Há uma leve insinuação de que ele tenha dormido com a mulher e seu marido. E, no fim do filme, Bogart decide por Bergman que ela deve ir embora com o marido e deixá-lo. Eles terão Paris em suas memórias, mas viverão separados. Com quem ele fica? Com o chefe de polícia, que diz que eles irão para um lugar seguro, fugindo dos nazistas que estão atrás deles agora. “Este é o início de uma bela amizade”, é a frase final do filme.
O subtexto gay de Casablanca não é óbvio, claro. Tem gente que acha isso absurdo, mas essa idéia não é minha. Essa discussão já existe há tempos, mas como eu só vi o filme ontem, não pude deixar de enxergar todos esses “ângulos”. Talvez tudo isso seja uma grande coincidência e um indício de quantas interpretações uma obra de arte pode ter. Certamente Michael Curtiz, o diretor do filme, Jack Warner, o chefão da Warner Bros., e Bogart nunca pensaram nisso. Agora preciso rever o filme, ouvindo os comentários do crítico Roger Ebert para saber se ele menciona algo sobre o assunto.
Em todo caso, mesmo sendo interpretado da forma mais tradicional, Casablanca é um filme apaixonante e que a gente pode ver várias vezes. Cult dos mais clássicos, daqueles que a gente assiste falando os diálogos junto com os personagens.

Movie_Poster_Casablanca.jpg

One thought on “Casablanca

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *