smoke gets in your eyes

Todo mundo que passa por aqui deve saber que eu tenho uma obsessãozinha por filmes antigos. Aliás, filmes antigos é quase só o que eu assisto. Tenho preferência pelos da década de 30, mas assisto de tudo, gosto de observar os micro-detalhes, além de curtir a história, os atores e tal. Uma coisa super notável nos filmes de 34 pra frente, quando se reenforçou o código para os filmes de Hollywood e acabou com o bacanal de mulheres semi-nuas, sexo, violência e all that jazz, é a presença constante do cigarro. Bom, não se podia fazer mais absolutamente nada, as mulheres tinham que se vestir com casaquetes fechados até o pescoço, os casais não podiam dormir na mesma cama e beijar só de lábios bem selados, então o jeito era fumar, e fumar muito!

bette_cigarette.jpg

Três objetos que hoje estão praticamente em desuso, eram necessidade básica naqueles tempos—o isqueiro, coisa fina para os ricos, os pobres usavam aquela outra coisa que se riscava na sola do sapato pra acender o cigarro; a cigarreira, também outra coisa fina, geralmente presente do amante com iniciais encravadas, os pobres tiravam aquele maço de papel amassado do bolso do paletó surrado; e o cinzeiro, que ficavam espalhados pela casa e eram tão populares que eram vendidos desde em lojas como Tiffany até nas biroscas de turistas em Niagara Falls—e que deve ser hoje o único lugar onde pode-se ainda achar um deles.
A atriz com luvas brancas, chapéu com peninhas e redinha e um terninho incrívelmente sufocante, já entra em cena segurando um cigarro. E era um cigarro sem filtro, porque ela tira um naco de fumo da língua, como eu via algumas pessoas que fumavam Minister sem filtro lá na minha pré-história na década de sessenta, fazer. Eram pessoas mais pobres, que não podiam comprar o fino Hollywood com filtro. Presumo que na decada de quarenta todos os cigarros eram sem filtro. Até a Bette Davis tirava naco de fumo da língua, porém com luvas e com muito charme.
Cigarros eram tão parte de tudo, que ninguém se importava com ele, Fumava-se comendo, beijando, dentro do elevador, nas festas de criança, no banheiro, durante brigas, fazendo sexo em camas separadas, é claro. Cigarro não incomodava, muito pelo contrário, quando alguém entrava em cena, oferecia-se um cigarro, como hoje se oferece um vinho do porto, um copo de água, um cafézinho passado na hora, um chiclete de menta. Chegava a vamp de chapéu e o pitéu de casaco com corte perfeito de alfaiate abria a cigarreira de prata e oferecia um cigarro. Ou havia uma caixa de cigarros na mesa de centro e o casal dividia as baforadas, ou ele acendia os dois cigarros e passava um pra ela. A primeira coisa que se fazia, antes de tudo, até do café da manhã, era fumar. Os filmes antigos têm aquela tênue névoa pairando no ar em todas as cenas. Era o fumacê discreto do sempre presente cigarro.
Hollywood já não é a mesma, principalmente porque hoje na Califórnia não se pode fumar em praticamente nenhum lugar público. Mesmo do lado de fora, há regras. Em alguns lugares, por exemplo, pra poder dar umas baforadas no cigarrinho, o fumante marginalizado tem que estar a pelo menos seis metros de qualquer janela ou porta de qualquer prédio. Eles ficam lá sozinhos, fumando no ostracismo, os passantes desviando, como se o fumacê tivesse bactérias nauseabundas ou vírus contagiantes. Acabou o glamour, hoje quem fuma não é mais Bette Davis.
* eu não fumo, nunca fumei.

3 thoughts on “smoke gets in your eyes

  1. Não consegui a imagem que queria… Vou ter que capturar do DVD. Mas o meu laptop tá programado para região 1 e o DVD é da região 4. Só posso mudar mais duas vezes, eu acho. To querendo capturar outras imagens de DVDs região 1, antes de voltar para a 4. Acho um SACO a Apple não deixar a gente colocar região 0 (TODAS) no DVD Player. Uma sacanagem isso…
    Mas quando puder, colocarei uma super imagem de uma personagem fumante, que fumava de um jeito ÚNICO.
    Beijocas e boa Páscoa!
    P.S.: Tem chocolate aí?

  2. Fezocaaaa!! A-D-O-R-E-I seu post!! Sou suspeito, eu sei, post com foto de Bette Davis é sempre um “must” pra mim. Hehehehe. Mas eu também penso muito no quanto o cigarro era glamourizado e hoje é execrado. Eu já tentei fumar e não consegui “pegar o vício”. Me dava dor de cabeça e eu ficava fedendo. Odeio cigarro. Mas no cinema era uma coisa mágica. Era uma cortina que pairava entre as pessoas e dava um ar de mistério e sensualidade. E como era “comum” a gente nem reparava que era (sempre foi) um péssimo hábito.
    Imagina como fedia a boca dessas pessoas? E os dentes amarelados e feios? Bette Davis morreu de câncer…
    Mas vou postar uma imagem para complementar seu post, de uma personagem que fumava e era um glamour só. ;^)
    Beijocas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *