Coincidências Cinematográficas #2

andrews174.jpg
Há semanas atrás ganhei de presente, vindo pelo correio, um adorável livro que foi uma BELA SURPRESA: Home – My Early Years, a autobiografia dos primeiros anos de vida da adorada e idolatrada, salve, salve Julie Andrews. Minha querida Fezoca me mandou de presente e eu comecei a devorar o livro imediatamente.
Algumas páginas depois eu já estava apaixonado pelo livro, pelas palavras dela e pela sua forma tão característica de contar sua vida, com sinceridade, elegância, diplomacia e emoção. Eu lia e praticamente ouvia a voz de Julie lendo o livro pra mim. Até que me deu um “estalo”: E se ela gravou um audiobook desse livro?
Corri para o computador e, através da abençoada internet, achei uma forma de baixar o que realmente já existia. Comecei a ler/ouvir o livro da primeira página e desta vez era realmente Julie Andrews quem lia para mim sua história, como se ela estivesse contando PARA MIM, como cresceu, como começou a cantar desde menina, suas primeiras apresentações, sua estreia na Broadway, seu primeiro casamento…
Fiquei com vontade de comprar mais filmes com ela, embora o livro termine justamente quando ela vai para Hollywood a convite de Walt Disney para filmar Mary Poppins. Não consegui achar nenhum filme além dos que eu já tenho e acabei recorrendo ao também abençoado You Tube. Vi Julie cantando aos 12 anos de idade, vi Julie se apresentando na TV com o elenco de My Fair Lady e o de Camelot. Vi um clip com algumas apresentações em homenagem a Julie no Kennedy Center com gente como Jeremy Irons cantando músicas de filmes e peças dela. Uma das apresentações que mais me emocionou foi ver o delicioso Patrick Wilson cantando brilhantemente The Street Where You Live de My Fair Lady. Eu tinha esquecido que o Patrick Wilson começou na Broadway antes de ir pra Hollywood. Que voz!!
Num final de semana saí para almoçar e resolvi olhar as promoções de DVD. No meio das muitas coisas que comprei (pra me ajudar a ficar feliz apesar das mudanças no meu trabalho que estavam me deixando estressado naquela semana) achei um monte de referências a Julie. Vejam:
1. Dr. Dolittle – um musical que eu via muitas vezes na Sessão da Tarde com Rex Harrison, par de Julie em My Fair Lady.
2. My Friend Flicka – um filme sobre um menino e um cavalo, com Roddy McDowell com 10 anos de idade, o primeiro filme que Julie Andrews viu e que a fez se apaixonar por Roddy, com quem ela trabalhou anos depois no musical Camelot, na Broadway.
3. Butterfield 8 – o filme que deu o primeiro Oscar a Elizabeth Taylor que fez, claro, Cleopatra, com… adivinhem? Roddy McDowell e Rex Harrison.
4. Little Children – um drama maravilhoso que eu sempre quis ter em DVD com uma performance primorosa de Patrick Wilson.
Além disso fiz o download de um filme que há muito queria rever. É um favorito também da minha mãe, estrelado por Doris Day (que tinha uma imagem semelhante a de Julie) chamado Midnight Lace. Consegui uma cópia muuuuuuito boa e fiquei feliz da vida. Adivinhem quem está nesse filme! Pois é, eles de novo: Rex Harrison e Roddy McDowell.
Doris Day e Julie Andrews são duas atrizes mais conhecidas por suas habilidades como cantoras do que como atrizes propriamente ditas que o mestre Alfred Hitchcock contratou, um pouco a contra gosto, por pressão dos executivos dos estúdios. Eu acho que as duas tiveram desempenhos excecpcionais em The Man Who Knew Too Much (em que Doris cantou a premiada Que Sera, Sera) e Torn Curtain. Só é uma pena que Julie não tenha cantado nenhuma música nesse filme.
Ainda em Midnight Lace temos a participação de dois favoritos, um meu – John Gavin – e outra da Fer – Mirna Loy – e eles estão ótimos, cada um do seu jeito, claro.
Não sei se sou eu que enxergo coincidências demais ou se de fato o six degrees of separation existe em todos os momentos. Mas que é divertido descobrir essas coisas, isso é. ;^)

2 thoughts on “Coincidências Cinematográficas #2

  1. A nível de curiosidade, onde você encontrou o Audio Book disponível para download na internet? Já procurei e não achei. Devorei o livro mais rápido do que eu gostaria, e queria ter o prazer de escutar a própria Julie narrando.
    Se você puder dividir a fonte, agradeceria muito MESMO!

  2. Quer dizer que além de ser gatérrimo, Patrick Wilson também canta? Uma pena a escassez e ódio pelos musicais hoje em Hollywood.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *